segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Lendo-te




da net

indecifráveis são as promessas
esperas sem destino nem partidas
rendas em silêncio esculpidas
na cristalina ausência dos dias

como um veleiro de sal ao sol.


HFM - Lisboa, Agosto 2012

3 comentários:

Ad astra disse...

no cais das esperas...

um poema lindo mesmo

Mar Arável disse...

... e assim acontece o poema

Belo

heretico disse...

plantando sinais. na janela do silêncio...

belíssimo.

beijo