domingo, 25 de abril de 2010


Hoje, mais do que nunca, requerem-se códigos sem inscrições onde a pauta esteja enxuta e, de novo, se reequacionem os olhares, os sentires, as vivências. Como num renascimento.

Um auto anárquico de utopia suspensa na ponte entre Abril e Maio.


HFM - Lisboa, 25 de Abril de 2010



7 comentários:

Licínia Quitério disse...

Porque se fez Abril renasceu Maio. Que vivam ambos e se renovem e perdurem.

Beijo.

António Baeta disse...

Saibamos manter viva a utopia nessa "pauta (...) enxuta".

Márcia Maia disse...

Um beijo especial daqui, queridamiga.

fernanda s.m. disse...

Das utopias se fazem os sonhos que, por vontade de cada um de nós, serão a vida ! É preciso mantê-los vivos: a utopia, os sonhos e a vida !

jrd disse...

Hoje, mais do que nunca. Sempre!
Um abraço

Ad astra disse...

das necessárias utopias

heretico disse...

... como um renascimento. sempre!

gostei muito. deste olhar limpido.

beijo