quarta-feira, 5 de maio de 2010

Das Lendas Esquecidas

Marinheiros antigos
inculcaram na pedra a lenda
e todos os trabalhos
trouxeram especiarias
e os sons doutros mares.
Contavam meus avós
que no solstício ao luar
como num cadenciar de remos
eles cantavam














ei, ei, vai... ei, ei, vai...
para barcos não há portos
ei, ei, vai... ei, ei, vai...



Vou estar ausente por uns tempos precisamente algures nesse Atlântico. Até já.

12 comentários:

Maria disse...

Perde-te "bem"!!!!!!

:))

António Baeta disse...

Texto e aguarela muito belos, já inspirados no Atlântico.

Licínia Quitério disse...

Ei...ei...vai
Ei...ei...volta

Beijinho.

Ad astra disse...

perdi-me nas cores
embalei-me no ritmo

navego nas palavras e nos traços

jrd disse...

Bons ventos hein!
Boa viagem
Abraço

Mar Arável disse...

Tudo pelo melhor

Graça Pires disse...

Bom descanso. Bom regresso. Um beijo.

heretico disse...

há mar e mar...

bom regresso!

beijo

Luis Eme disse...

até já, e canta, Helena, baixinho, às sereias e aos marinheiros...

Fred Matos disse...

Não há portos para barcos, mas, felizmente, há portos poéticos nos quais todas as lendas se relembram.
Bom te ler, amiga.
Beijos

maria manuel disse...

bela lenda em poesia.

boa viagem, Helena. um beijo.

addiragram disse...

Até já!!!!!!!! Boa Viagem !