sexta-feira, 26 de agosto de 2011






já é tarde, eu sei. são poucos os vestígios. as pegadas apagaste-as quando te individualizaste. na beira da estrada o silêncio já não ofusca as papoilas. há ainda quem diga que no minimalismo se erguem montanhas. para mim soletro esse glaciar onde o branco reflectia o azul e onde aprendi o indizível nome da solidão. que nada tem de absurda. é apenas o corolário da equação nunca resolvida.




HFM - Agosto 2011




O blogue vai ficar uns tempos em pousio vou ali percorrer 4 dessas ilhas encantadas que temos no meio do Atlântico onde os verdes desafiam qualquer paleta e onde compreendemos melhor o binómio terra/mar em toda a sua extensão e todas as suas conotações. Até...


14 comentários:

mfc disse...

Temos tantas indefinições e inc´gnitas para resolver...

Ad astra disse...

que os verdes das ilhas encantadas aqueçam o glaciar

e as papoilas possam dançar


boas férias

J.T.Parreira disse...

"o indizível nome da solidão".
Boas viagens, Helena.

jrd disse...

Até...
Que seja bem acompanhada a sua solidão.

Justine disse...

Com uma pontinha de inveja, desejo-te umas excelentes férias nas Ilhas Encantadas, onde ainda se pode ouvir o silêncio e onde a tua sensibilidade de poetisa vai florir!

Licínia Quitério disse...

Até. Que o verde-azul seja contigo.

heretico disse...

beijo. bom descsanso. reconforta a alma naa paisagens. e o corpo...

Graça Pires disse...

"o indível nome da solidão" que nos perssegue... Boas férias, Helena. Um beijo.

Mar Arável disse...

Tudo pelo melhor

silêncio

heretico disse...

beijo.
excelente descanso.

bettips disse...

Partem e voam
uns
e eu (também). Fui aos traços.
Mas as palavras assim o são, traços e esboços de pensar.
Bjinho

Teresa Durães disse...

boas férias!

Ad astra disse...

ainda não acabou o pousio?

Anónimo disse...

quando Tu, Senhor, te individualizaste em todos nos