segunda-feira, 7 de novembro de 2011



Importas-te que te fale da suavidade dos dedos
quando a pele em surdina
sustêm a respiração dos poros
e o tempo se detêm?

correm as ondas ao arrepio do vento.



HFM - Lisboa, 6 de Novembro de 2011

7 comentários:

Ad astra disse...

e lê-se com a respiraçao suspensa

num arrepio


que beleza

bj hfm

© Piedade Araújo Sol disse...

não me importo nada...

curto e tão bonito...

um beij

mfc disse...

Como gosto... e como é lindo!

jrd disse...

À flor da pele, o tacto.

B disse...

...porque haveria de importar, se na suavidade dos dedos, deixa-se fluir os sentidos e a vida torna-se muito mais doce, no entardecer e amanhecer corporal...a noite e o dia já não importa, desde que a Alma esteja e se sinta viva...jamais morta!

Vaguiei pelos blogues...eu também gosto de palavras e fotos...além do desenho e da pintura, parabéns adorei ler suas palavras, e um obrigado pelas boas vindas ao no urban..

Um abraço
Helena Graça

Luis Eme disse...

se correm, Helena.

mesmo suavemente.

Mar Arável disse...

Há ondas assim

contra o vento que faz