sexta-feira, 16 de março de 2012

Interpretando-me



Escaparam-se-me os pensamentos
na dialéctica das palavras
no sentir me quero
quando as cores se esbatem
e os cheiros se ampliam
num deserto sem areia
completarei o cenário
percorrendo a mise-en-scène
que à vida subtraí
metade de mim
num caleidoscópio de emoções
toda inteira
nas palavras que não pronuncio.

Lisboa, Março de 2012


5 comentários:

Ad astra disse...

"metade de mim"

nas tuas palavras

no poema sentido

jrd disse...

Não se comenta o que é subjectivo, apenas se aprecia...

mfc disse...

Gostava de saber dizer as coisas assim...

AnaMar (pseudónimo) disse...

belo
quando nos sabemos
e o dizemos duma forma bela

heretico disse...

o misterio (e o sortilégio) da outra face da Lua

beijo