quinta-feira, 30 de abril de 2009

Ainda a memória

da transparência da cor
restou o sorriso
e o sol acomodando-se na pele

não te disse das certezas
soltaram-se do eco da tua voz.


Lx, 29 de Abril de 2009

12 comentários:

J.T.Parreira disse...

Olá Helena,
Quero ser o primeiro a entrar na transparência do poema e chegar até ao eco da voz.
Abraço
J.

jrd disse...

Transferências...

Mar Arável disse...

é preciso fixar

as tranparências

Ad astra disse...

dos mais bonitos que já li

dos que mais me tocaram...

...certezas na voz

lindo!!!

Paulo - Intemporal disse...

Maio, o primeiro dia, o dia um, um dia, este.

Celebra-SE aquele que tem algo a fazer, ou que há tanto faz [...]

Maio também de Maria, de re.conciliação.

Maio de colher, a semente.

íssimo _______________________________ .

~pi disse...

? soltaram-se curvos

e foram

arco-íris :)




beijo




~

Miguel Barroso disse...

Transparente mesmo.

Luis Eme disse...

a memória é o tempo, todo...

abraço Helena

Paulo - Intemporal disse...

Helena,

venho agradecer-Lhe o carinho e retribuir-Lhe o gesto sublime.

feliz dia da mãe!

Grat.íssimo por ser quem é.

um abraço sempre apertado meu.

Ilidio Soares disse...

Gostaria de me "enrrolar" nessa pérola. Gostaria não, já me enrrolei. bjos

mfc disse...

Por vezes transformamos as nossas dúvidas em... incertezas!

Susana Barbosa disse...

... um sorriso pode valer uma vida!
boa semana Helena