segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Fortaleza de Cascais - HFM



A norte no norte no farol mais distante encontrei o porto. Sem abrigo. Desprotegido. Onde as ondas cavam na rocha a beleza. Onde os pássaros se acoitam sem ninho. Onde a secura férrea da terra se molda à humidade. Aí, na envolvência agreste de todas as interrogações, o silêncio canta, ao som do cello, todas as gratidões do universo.

11 comentários:

非凡 disse...

I'm appreciate your writing skill.Please keep on working hard.^^

Teresa Durães disse...

Um farol que deve transmitir um número imenso de pensamentos

António Baeta disse...

Toda a imensidão do silêncio.

J.T.Parreira disse...

O farol corta a noite em fatias iguais.
Retribuo votos de um Ano 2010 muito bom para a Helena.

Maria Quintans disse...

a tua escrita sempre em tom maior. nesta imensidão de silêncios.

um muito Feliz 2010 e um enorme abraço!

jrd disse...

A guiar as palavras, o farol na paisagem.
Abraço

Mar Arável disse...

Belo o seu farol

Tudo de bom

Luis Eme disse...

onde o silêncio canta todas as gratidões...

abraço Helena

Ana disse...

Do silêncio que canta , nascem as palavras da tua escrita.

Feliz 2010, Helena.

Ad astra disse...

passaros sem ninho que buscam farol...

envolvências


que lindo!

heretico disse...

esse o destino dos faróis - a sua solidão. e o som do cello...

beijo