segunda-feira, 7 de junho de 2010

Mar e Cabo





O mar baralha todos os labirintos. Indomável nunca se aconchega. Surfa as rochas. Invade a terra. Desfaz artesanatos humanos. Cerra-se na sua pureza e na força de que é talhado.

Junto a ele procuro a paz e a lisura do seu afago. Não trai. Só não admite a insensatez. Agrada-lhe o respeito. Despreza os que o tentam destruir. Barra-os a direito sem tergivações. É uno na aparente dureza da sua simplicidade.

Encosto o olhar ao Cabo lá ao fundo, na distância que a bruma adensa e penso que estes dois pilares, mar e Cabo, me ensinaram a desprezar grande parte dos valores que dominam a actual sociedade e, acima de tudo, os fazedores de “gostos” miméticos, aqueles que usam a impunidade para nos impor uma vida sem sentido, sem valores, desumana, sisuda e plena de boçalidade.

Não, o mar não está zangado, digo-te. O mar apenas se defende da agressividade destes novatos que o tentam invadir. Do alto dos seus longos séculos apenas os despreza e com uma vaga maior repõe-os no seu devido lugar indiferente às mossas ou feridas. E o Cabo, altaneiro, gargalha, no eco das suas pedras que o mar foi cerzindo.

Mar e Cabo dois marcos que me construiram e me ensinaram o valor da transgressão.


HFM - Ericeira, 2 de Junho de 2010



7 comentários:

Ad astra disse...

o mar tudo ensina...


estou a ficar fan das tuas fotografias.

Mar Arável disse...

Um belo hino ao mar

Repito

eu também respiro por guelras

jrd disse...

Excelente! Complementaridades.

Luisa disse...

Para mim o mar também é tudo.
Bela fotografia.

Mel de Carvalho disse...

Na linha de cabotagem, há muito tempo leio as suas palavras. E hoje não resisto em dizer-lhe o quanto me são preciosas.
Na proximidade dos meus referenciais, identifico-me

"Mar e Cabo dois marcos que me construiram e me ensinaram o valor da transgressão."


Bem-haja
Mel

maria manuel disse...

o mar, onde toda a vida do planeta nasceu - excelente texto, Helena, de homenagem a esse universo primordial que tanto nos ensina, e, por outro lado, de denúncia aos valores que se vêm perdendo entre os homens.

abraço.

heretico disse...

compreendo muito bem a "indignação" do Mar e do cabo que tudo (te) ensinam.

e o teu olhar genuíno sobre as coisas e a Vida.

beijos