domingo, 7 de novembro de 2010

Eu, agnóstica, me confesso





foto de HFM



Profética é a onda que não desiste. Enrola em tempos calculados e, quando tudo parece matriz, desatina e abala. Assim são os meus tempos. Aparentemente acertados, contudo, tão desatinados. Excessos de desassossegos na fímbria onde envolvo os dias. Centelhas de liberdade na afirmação própria da vida que quero viver. Aberta. Vertical. Onde o encontro do eu com o comigo se faz num diálogo profícuo de mudanças. Porque o sinto, tento adaptar essa vida aos outros; porém, rejeito em absoluto as baias, as formas, as inúteis obrigações - quero um convívio de extremos partilhados. Chegam as situações extrínsecas que não posso dominar.

Assim me quero. Assim me devem aceitar. Com estas premissas todas as estradas se podem percorrer porque, na paz interior e única, em todas elas se encontram silêncios, clareiras, narrativas por inventar e até rendições consentidas.

Confesso que preciso de mim. Bem. Sem preconceitos. Nos meus silêncios. Nas minhas alegrias. Nos meus convívios. Nas ninharias que só eu compreendo. Nas minhas motivações aparentemente sem sentido.

Preciso de respirar. Quero viver.

Assim me confesso. Assim me quero. Assim. sou.

HFM - Lisboa, 23 de Outubro de 2010

7 comentários:

jrd disse...

E que bem que é!!!
Um Abraço por ser assim.

carlos pereira disse...

Cara Helena;
Excelente texto num belo monólogo do seu "eu" interior.
Gostei muito, mas mesmo muito.
Parabéns.
Um beijo.

addiragram disse...

Quem me dera tê-lo escrito!
Um grande abraço.

Ad astra disse...

assim...

sejas!

Licínia Quitério disse...

Esses são os diálogos mais difíceis que nos cabem de vez quando. Temos a maior exigência connosco. Difícil encontrarmo-nos, mas mais difícil fugirmos de nós.

Belo texto. Helena.

Um beijo

heretico disse...

perfeita. a conjugação dos tempos. e das ondas...

beijos

bettips disse...

Não sei se assim sou.
Sequer se quero - tantas vezes - respirar. Mas vou-me perdendo na volutas que ainda prendem, ao alto, o meu tecto.
Mas sim, excessiva e desassossegada.
Por isso aqui venho, com gosto.
Bj