terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Anoitecidos




Quando brinquei com a insónia foi comigo que brinquei. Enrolei-me nos lençóis e libertei-me no peso da roupa. Fingi a naturalidade. Escondi-me do novo dia. Refugiei-me no silêncio da noite. Vesti-me de vazio. Selei o pensamento. Parti.



6 comentários:

r.e. disse...

é um vício antigo já este de aqui regressar para rejuvenescer no teu imaginário. volto sempre. J.

Luis Eme disse...

e vestiste-te de uma forma bela (pela descrição...).

abraço Helena

Ad astra disse...

andante cantabile!

jrd disse...

Até amanhã...

António Baeta disse...

Estes noturnos são pequenas jóias do teu longo colar.

maria manuel disse...

gosto muito da maneira como expressa o que sinto como uma necessidade, por vezes, de esvaziamento, só conseguida no silêncio solitário (quando tudo e todos dormem) da noite. de como a insónia, por veses! é ponto de partida para um caminho diferente do quotidiano.

beijos, Helena.