domingo, 10 de abril de 2011

Tempo(ral)


no apelo do mar oiço o eco rouco do desnorte
a fenda nas arribas que os homens multiplicam
o errático dislate dos passos sem sentido
a turba amolecida e acomodada
e a onda fragilizada que já não brilha.

Ó deuses, há neblina no concílio?

HFM-Lisboa, 10 de Abril de 2011



5 comentários:

Ad astra disse...

tudo leva a crer que sim

mas como dizia Pessoa

os grandes homens sao sonhadores veem mesmo com a suave neblina

ma grande folle de soeur disse...

Muuito bom. Abraço

mfc disse...

Os passos continuam sem sentido e no concílio havia só querubins!

© Piedade Araújo Sol disse...

há neblina, pois.

um dia o sol volta a brilhar.

esperança é preciso.

beij

addiragram disse...

Que bem dito!