domingo, 3 de abril de 2011

Cantata




na manhã sem ausências
os teus olhos de seda
albergavam o vento
um sôfrego chicote
arrepiando a ternura

assim se cosiam os desalinhos.

HFM - 29 de Março de 2011


6 comentários:

Luis Eme disse...

lindo.

abraço Helena

Ad astra disse...

dos mais bonitos que por aqui li

arrepia, sim senhora...

mfc disse...

Gostei do antagonismo aparente das tuas palavras!

Mar Arável disse...

... e assim dormimos

em casulo
no mais profundo silêncio.

No contraditório

Ana disse...

Arrepiando a ternura ... belo!

© Piedade Araújo Sol disse...

desalinhos alinhados

beij