terça-feira, 24 de março de 2009

Sem título


Quando o sol brilha nas tuas mãos
sei que não há regressos nem despedidas
só partilhas
na doce melodia de um cello



em nós não fenecem as papoilas.



HFM - Lisboa, 24 de Março de 2009

14 comentários:

Graça Pires disse...

Que bom teres voltado. Que bom teres trazido as papoilas e a melodia de um cello...
Um grande beijo.

Justine disse...

É a esperança em vermelho, as papoilas que não fenecem!

J.T.Parreira disse...

Ah, Helena, chegaste. Obrigado pela tua visita também. Ao longo da ausência quis colocar palavras sob os teus escritos, mas não pude...Gostei, trouxeste um pouco de Van Gogh.
Um abraço

Luis Eme disse...

pois não...

que bom teres trazido as papoilas, Helena.

Teresa Durães disse...

esse sol é tão bom! Gostei bastante!

Ad astra disse...

há uma doce melodia no teu regresso
e enche-se o ar de Primaveras..

sabias que as papoilas são as minhas flores preferidas?


um beijinho

jrd disse...

As papoilas são perenes

Licínia Quitério disse...

Bom que tenhas voltado com um braçado de papoilas na voz. Guardo uma, se não te importas :))

Beijinho.

Mar Arável disse...

Que bom

regressares com as "minhas"

papoilas

fred disse...

Belo, Helena.
Belíssimo.
Contente com a sua volta.
Beijos

maria m. disse...

quando há partilhas, nada fenece. tão belo o poema!

addiragram disse...

Tão bom quando "isso" acontece!

Ad astra disse...

e o tom magenta?

heretico disse...

não resisto à doce melodia do cello.

... no delicado aceno das papoilas.

beijo