sexta-feira, 29 de maio de 2009




não te direi dos verdes
escorrem das árvores
como as saudades
e o voo rasante da águia
por sobre o oceano

estados de ânsia
na vertigem dos assombros.


Berlim, 17 de maio de 2009



7 comentários:

Ilidio Soares disse...

a delicadeza dos seus poemas sempre me impressionam. mas esse aqui passou dos meus limites de assombro. que preciosidade. bjos

jrd disse...

Lindo!
Prelúdios de mar com o pensamento no horizonte.
bfs abraço

addiragram disse...

Percorrem todas as distâncias estas palavras.

Licínia Quitério disse...

Uma vertigem líquida de assombros. Muito sensível. À flor da pele.

Um beijo, H.

Luis Eme disse...

as vertigens da saudade...

abraço Helena

Ad astra disse...

diz-me dos verdes
diz-me das saudades
diz-me de voos alados sobre o oceano

diz-me das ânsias e dos assombros

diz-me...
para que eu perceba vertigem

maria m. disse...

as palavras escorrem como os verdes, voam como a águia, assombrosas como a natureza!