quarta-feira, 17 de junho de 2009

Um ténue fio ligando resistências.
O olhar tecendo madrugadas.
As mãos soltando a claridade.
O horizonte - ponto de apoio.

A eternidade - linha de evasão.

HFM - Lisboa, 16 de Junho de 2009

10 comentários:

sarasvati disse...

Muito bom.

Gosto particularmente de "olhar" para o horizonte com os seus olhos. :)

O Micróbio II disse...

Bela definição do horizonte e da eternidade...

maria m. disse...

o horizonte e a eternidade, como uma madrugada que se abre ampla perante nós...

jrd disse...

E assim se levanta um (novo) mundo.
Abraço

~pi disse...

outros

os

horizontes

que

traças ~




beijo




~

Teresa Durães disse...

ah! gostei bastante! esse modo de descrição da evasão!

Ad astra disse...

claridade´...

ad eternum

Licínia Quitério disse...

Nada menos que a eternidade para nos evadirmos...

Até breve.

bettips disse...

Um ténue fio
ligando as desistências.
Bjinho

heretico disse...

gosto particularmente de "olhar(es) tecendo madrugadas...

beijo