terça-feira, 30 de junho de 2009

Da longa memória (para ti, mãe)


Na distância percorro o rio
na foz encontro a memória
e a incansável saudade da nascente.


HFM - Ericeira, 30 de Junho de 2009

8 comentários:

maria m. disse...

é na memória que nos encontramos com o passado, que nos reencontramos...

belo poema.

Ad astra disse...

presente, sempre presente...

Teresa Durães disse...

linda homenagem!

António Baeta disse...

A Ericeira exacerba-te as memórias e inspira-te desta forma tão sentida.

Ilidio Soares disse...

Falar o quê? Melhor deixar a minha memória também se colar a essa...abçs

CNS disse...

As memórias a jusante de nós.

Ana disse...

A longa memória dos afectos.

Tal como em comentário anterior, também eu saliento os efeitos do mar da Ericeira na tua poesia :-)

heretico disse...

inverter o curso do tempo. na memória...

beijo