terça-feira, 2 de junho de 2009

Sem título


Meu amor, qual o tempo do tempo?
O instante sempre ultrapassado?
A memória assimilada?
O fragmento antecedendo o momento?

Tão só a certeza nas minhas mãos.


HFM - 24 de Maio de 2009



6 comentários:

Ad astra disse...

virá o tempo em
que o tempo responderá

que a cada instante nasce um novo tempo

nascem as memórias sem tempo

~pi disse...

as mãos de mel (a

colar areia

a escrever

o pão,




~

Teresa Durães disse...

gostei bastante!

mariab disse...

como se o tempo nos escapasse em cada momento.
beijos

Licínia Quitério disse...

Mãos em que o tempo não se detem.

Beijo.

maria m. disse...

dos instantes -