terça-feira, 10 de agosto de 2010




No desconhecido que é um todo situa-se a imprevisibilidade. A charneira onde a criação é possível. Aleatória? Talvez. Mas sempre arrepiantemente envolvente. Só nela se pode trilhar o que ainda há a fazer. O pormenor. O cisco de madeira que pode preencher a falha. O direito à luta ou à indiferença perante este mundo formatado.

No desconhecido se encontra esse átimo que só alguns conseguem captar. E como, em tantas outras coisas, “less is more”.

Nesse pormenor invisível que, por momentos, atravessa o nosso campo ou a nossa visão, pode estar a alavanca que tudo propulsiona.

Atrevo-me. Não o procuro. Ele está aí – ao meu lado, dentro de mim, na palavra a pronunciar, no olhar que se cruza, na mão que se aperta.

Só em mim a possibilidade de com ele criar a utopia e a razão.

Despir o recheio. Apascentar a simplicidade. Avançar.

A única certeza é que não é na inacção nem na repetição que descobrirei a razão de ser.

A um passo segue-se outro passo – infantil?

Como eu gostaria de recuperar o olhar da criança.


HFM - Lisboa, 1 de Agosto de 2010



6 comentários:

mfc disse...

Essa é a forma de chegar lá!
Um texto para ler de novo... já!

João disse...

É, Helena, não haveria nunca procura nem criação sem o desconhecido. Como gostei de ler o texto.

J.T.Parreira disse...

Helena, o João "desconhecido e sem perfil" é o JTParreira, que reitera o que comentou.

Ad astra disse...

arrepiantemente envolvente...

Ana disse...

Atreve-te, Helena ! Passo após passo, nesse desconhecido que, a pouco e pouco, nos desvendas!
Obrigada!

ma grande folle de soeur disse...

Clarice Lispector: "Mas como adulto terei a coragem infantil de me perder?" in A Paixão segundo GB