domingo, 26 de setembro de 2010

Per te





CONJURA DE SENSIBILIDADES

(ouvindo o concerto de Mozart pela orquestra filarmónica de Berlim dirigida por Pierre Boulez sendo solista Maria João Pires)


Leve, levitava
num som interior
quase etérea dessacralizada
num mundo outro, sem penumbras.
Os lábios - sábios domadores do compasso -
antecediam promessas
visualizavam harmonias
e, sob as mãos de Pierre Boulez,
sem batuta,
organizavam-se sons, que escorriam,
impetuosos puros vibrantes
das cúpulas e colunas
do Mosteiro dos Jerónimos.
Ao fundo, desfocado em bruma
- como D. Sebastião -
Camões pensou
que os dedos daquelas mãos,
femininas e rudes,
tinham dobrado o Bojador.

Depois, adormeceu e pacificou.


HFM - Lisboa, 1 de maio de 2003


Agradeço ao meu amigo Eduardo Graça que me deu a conhecer o vídeo.

10 comentários:

António Baeta disse...

Belo!
Pena ser tão breve.

Ad astra disse...

sem palavras...

jrd disse...

Encantamento!

S.C. (foto de S.C.) disse...

Tanto o poema como a música são muito bonitos. Obrigada por este momento, Helena.
S.C.

Mar Arável disse...

Dobraram mesmo o Bojador

Muito belo

pin gente disse...

ele e nós!

abraço

heretico disse...

aqueles(as) que da lei da morte se libertam...

gostei muito. muito

maria manuel disse...

sim, dobraram o Bojador (imagem perfeita para o sonho aqui alcançado pela tua sensibilidade, pela música, pelas interpretações, pela poesia).
beijo.

J.T.Parreira disse...

Belíssima écfrase. Que toca.

carlos pereira disse...

Cara Helena;

Excelente digressão poética através dos sons, criando sensações apaziguadoras.
Gostei bastante deste poema.
Parabéns.
Um beijo