terça-feira, 5 de julho de 2011

Da pequenez consentida

Deixemo-los ficar a ruminar
na sabedoria - a deles -
a que julgam ser sabedoria
humildemente dedilhemos as palavras
as nossas
e apenas pela poesia
deixemos que o poema respire.



HFM - Julho 2011

7 comentários:

Carlos Ramos disse...

è quanto basta, o resto deixai-os a ruminar...

jrd disse...

Enorme essa pequenez.

heretico disse...

alarguemos o olhar a outras distâncias - que não a deles...

beijos

mfc disse...

É bom termos a consciência humilde da nossa superioridade!

ma grande folle de soeur disse...

belas palavras : ) beijos

mel de carvalho disse...

"humildemente dedilhemos as palavras
as nossas"

cientes de que, façamos o que fizermos, estamos condenados à tragédia que, não sendo grega, nos a_grega tristes e, a cada dia, miseravelmente mais pobres ...
salva-nos a poesia.

Helena, já sabe do meu apreço. Volto sempre a esta partilha. Obrigada,
Beijo
Mel

Ad astra disse...

a receita perfeita