segunda-feira, 11 de julho de 2011

Quando a insónia me desnorteia


Ouvi o assobio
clareando a noite
e os segredos
de uma madrugada errante

uma súplica
onde se projectava
o eco dos meus labirintos

sopro indecifrável
percorrendo do tempo a pauta

onde assento os códigos indemonstráveis.



HFM - Lisboa, 14 de Julho de 2011

5 comentários:

Justine disse...

Insónia muito produtiva:))
Abraço

Ad astra disse...

desnorte feito súplica

indecifrável?

heretico disse...

como a brisa quente da noite sobre a pele...

(ou os dedos. na vibração de uma serenata...)

beijo

mfc disse...

São tempos que me dedico...

Luis Eme disse...

assobios que atravessam o dia e a noite e levam barcos à vela, para lá da linha do horizonte, ao fim da tarde...