domingo, 3 de julho de 2011

Sem título





quando a espuma não pacifica
há como um silvo
azucrinando
a distância

momentos esfarrapando a inocência.







HFM - Maio 2011

6 comentários:

Luis Eme disse...

é uma boa leitura das "ondas".

beijinho Helena

mfc disse...

A culpa não é do mar, mas da disposição interior!

Mar Arável disse...

Na verdade é insustentável
olhar - apenas o mar

é preciso respirá-lo

Ana disse...

A paz que se busca no mar.

heretico disse...

que o silvo se faça trovão...

beijo

Ad astra disse...

distancias...
momentos...