segunda-feira, 13 de julho de 2009

Anoitecidos


Na noite sem fim a cabeça. Desprovida. Vaga. Distante. Apenas um sopro lhe recolhe o ritmo. Frágil. Enquanto, lá fora, a cidade ferve na sua constante agonia.

HFM - Lisboa, 11 de Junho de 2009


7 comentários:

jrd disse...

Até (a) à madrugada...
Um abraço

Ad astra disse...

de profundis...

Teresa Durães disse...

por vezes, esse distanciamento da realidade que fere.

Ana disse...

Palavras que a noite desperta.

Graça Pires disse...

A fragilidade da noite em palavras fortes. Um beijo Helena.

heretico disse...

noites na lucidez da insónia...

beijo

maria m. disse...

do cansaço dos dias -

um beijo.