quarta-feira, 29 de julho de 2009

Anoitecidos

percorri o estreito caminho. entre pedra e mar. havia o azul. sem manchas. nem mágoas. por entre a bruma descortinei um pálido fio. desconcertante. era o vento nas sinfonias do luar. o som rasteiro dos bichos no canavial. e sob o infinito o doce traço de um sonho futuro. estigma onde pendurei todo o meu sentir.

8 comentários:

Simone Oliveira disse...

A pele ávida, reconhecendo, delimitando e sentindo tudo. Fechar os olhos e quase tocar.
Lindo.
Bj

Ad astra disse...

sentir azul
sem manchas


verdadeira sinfonia de verão

Fred Matos disse...

Belo, Helena.
Beijos

isabel mendes ferreira disse...

tão belo que não sei comentar. não sei mesmo.


beijo Helena....sempre "amanhecida"....nascente.

maltes disse...

Encanta.

Mar Arável disse...

Precisamente

também lá tenho alguns sonhos

depen durados

Bjs

jrd disse...

Síntese de pedra e mar e muito mais.
Muito bom.
Abraço

maria m. disse...

a busca de um caminho... o mar, o azul... belo!