terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Do diário



HFM


A memória nunca se combate. A sua lisura infiltra-se em cada póro, em cada nódulo dos dedos afagando a vida no instante do passado.

A memória anda de mão dada com o tempo martelando, em nós, a vida, o cansaço, as horas e toda a limpidez com que nos reflecte na amarga percepção do que já não somos.

Memória - estrada incerta onde mapeamos a vida.

HFM - Lisboa, 13 de Janeiro de 2010

7 comentários:

Maria disse...

Importante é preservá-la...
E esta fotografia é linda. Parece que as rochas têm vida. E a Ilha logo ali em frente...

:)

Ad astra disse...

que dissertação brilhante

Mar Arável disse...

Ai de nós

e os amanhãs

sem memórias

Bj

Licínia Quitério disse...

Sobre essa estrada incerta caminhamos. Ela reflecte o que já não somos, mas sem ela não somos.

Gostei, claro.

Teresa Durães disse...

hum... ultimamente pensoo mesmo. Mas faço um esforço paa olhar antes paa o dia de amanhã. Belo texto

maria manuel disse...

"A memória nunca se combate." Procuramos nela o que fomos, que é parte integrante do que somos e nos acompanha no que seremos.
Uma boa reflexão, Helena.

bettips disse...

Com ficaram bem
(a dizer contigo o que dizes)
estas pedras!