quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Sem título

Sobra-me do anverso o reverso
e a enorme sofreguidão do intante

uni-os na pétala do teu olhar.

HFM - Lisboa, 26 de Janeiro de 2010

6 comentários:

Teresa Durães disse...

essa sofreguidão é o que nos dá todos os momentos de uma vida vivida

Ad astra disse...

dos olhares sôfregos.

bettips disse...

Sempre-mente.
Pétalas-lugares que vamos desfolhando até ao âmago da flor.
Bjs

Mar Arável disse...

Por vezes é preciso

sintetizar

num instante

heretico disse...

uma pétala. como síntese!
tão bonito!...

beijos

maria manuel disse...

que bela imagem a do último verso! e tão bem conseguida a metáfora da «pétala»! perfeito.